Dra. Lia Alves Schinetski, PHD

Como superar o medo de dentista – O Guia absolutamente completo

 

 

O que vem à sua mente quando você pensa em uma visita ao dentista?

 

Você já se imagina suando frio, tremendo, com o coração batendo acelerado e uma vontade enorme de sair correndo?

 

Sente um gosto amargo na boca e o cheiro do consultório que te causa tonturas?

 

Vê a imagem de uma seringa ou de um alicate muito grande vindo em sua direção e você, impotente, não consegue fazer nada para se livrar?

 

 

Se você disse sim a alguma dessas alternativas, é bem provável que você tenha a chamada odontofobia. Para algumas pessoas a consulta odontológica é um verdadeiro pesadelo, que vai além de um simples desconforto.

 

O medo de dentista é um fenômeno conhecido há centenas de anos. As primeiras crônicas remontam à Idade Média. Nessa época a ida ao dentista era realmente um pesadelo, uma tortura.

 

Na Inglaterra as pessoas que tinham dinheiro iam ao barbeiro para tirar os dentes e os menos afortunados iam ao açougueiro, que tinha ferramentas muito mais rudimentares.

 

De fato, naquele tempo, havia motivos reais para ter medo do dentista. Mas porque será que hoje em dia sentar na cadeira do dentista ainda evoca imagens de tortura?

 

A Odontologia é uma ciência moderna. A tecnologia para tornar os tratamentos mais confortáveis evoluiu muito, bem como a consciência a respeito da importância de manter uma relação de delicadeza e confiança com os pacientes.

 

Ainda assim, o medo antigo permanece. Parece que o passado deixou uma marca na nossa memória coletiva!

 

Os inúmeros estudos que procuraram quantificar a difusão desse medo chegaram mais ou menos à mesma conclusão: quase 50% da população vai ao dentista com certa dose de ansiedade. 

 

Até aí, tudo normal!

 

O dado mais preocupante é a alta taxa de odontofóbicos: eles representam 10% da população. Essas pessoas tem pavor de dentista, adiam mil vezes as consultas, chegam a ir até a porta do consultório, mas dão meia-volta.

 

As consequências para a saúde bucal são grandes: uma pesquisa norueguesa demonstrou que pessoas que sofrem com o problema apresentam incidência de cáries, tártaro, perda de dentes e infecções bucais de forma nitidamente superior à média.

 

 

Continue lendo esse artigo para você saber mais sobre como lidar com essas sensações que te impedem de ir ao dentista e fazer um tratamento que te proporcione aquele lindo sorriso com o qual você sonha e acha que é impossível realizar.

 

Além disso, você vai saber também o que o dentista pode fazer por você, pra te ajudar na superação desses medos. Assim, vai ficar mais fácil você saber a quem procurar para que o seu tratamento seja o mais agradável possível.

 

 

Mulher com medo de dentista

 

 

Para vencer o desconforto:

 

 

Escolha um dentista que “combine” com você

 

Uma das chaves para lidar com esse medo é escolher um dentista com quem você se sinta à vontade. Se você sente que o dentista não tem empatia, não se importa muito com a sua insegurança, então com certeza não vai dar certo.

 

Leve o tempo que for necessário para encontrar aquele profissional que combina mais com você. Peça indicações, visite vários consultórios, converse com a equipe e você vai saber com quem você se sente mais à vontade.

 

Veja o dentista não somente como alguém que cuida dos seus dentes, mas como alguém que também pode ser um amigo. Conversar sobre a sua próxima viagem de férias, por exemplo, vai sempre te deixar mais relaxado!

 

 

 

Não sinta vergonha

Muitas pessoas ficam constrangidas e escondem seu medo de submeter-se ao tratamento odontológico.

 

Acredite em mim: isso é muito mais comum do que você imagina! Por isso não pense que o dentista vai achar ridículo você dizer que tem medo, nem vai tirar sarro da sua cara por causa disso.

 

Os homens, principalmente, ficam bem mais tranquilos quando admitem essa dificuldade e percebem que ter medo não diminui de forma alguma sua virilidade.

 

 

 

Descreva seus medos

Fale para o seu dentista que você está ansioso por causa da consulta. É bom até mesmo descrever o que provoca mais incômodo no tratamento: a injeção, o cheiro típico do consultório, o temor de sentir dor mesmo sob efeito da anestesia ou outro aspecto qualquer.

 

Isso facilita o trabalho do dentista e também ajuda a aliviar a sua tensão. Muitas vezes o medo parece difuso, o que faz com que se torne maior e mobilize grande energia. Por isso, em muitos casos é útil discriminar esse sentimento.

 

 

 

Livre-se de outros compromissos

 

Em geral, marcar um horário quando estiver menos sobrecarregado ajuda a chegar ao consultório mais relaxado. Para algumas pessoas é preferível uma hora pela manhã, já que com o passar do dia as fantasias assustadoras tendem a aumentar.

 

Também é recomendável não chegar muito tempo antes, para não ficar esperando, o que certamente aumenta a ansiedade.

 

 

 

Vá acompanhado

 

Leve um amigo ou familiar com você. De preferência, alguém que não tem medo de dentista, é claro!

 

O dentista não vai se incomodar se você levar alguém para te acompanhar no tratamento, alguém que esteja ali para te dar apoio e fazer com que você se sinta mais seguro.

 

 

 

Use técnicas de relaxamento

 

Diversos estudos comprovam os benefícios da ioga, exercícios respiratórios e técnicas de relaxamento para diminuir o estresse e a ansiedade. Você pode lançar mão dessas práticas antes da ida ao dentista e também durante o tratamento. O ideal é treinar a técnica tranquilamente para aplicá-la quando no momento em que surgirem os sintomas de ansiedade.

 

Respirações profundas e amplas, diafragmáticas, ajudam a normalizar o ritmo dos batimentos cardíacos. Inspire pouco ar pelo nariz, devagar, contando até três. Prenda um pouco a respiração e sinta o abdome estufar. Depois, expire longa e suavemente pela boca, contando até seis.

 

Atualmente existem vários aplicativos que ensinam técnicas de relaxamento.

 

 

 

Faça combinados

 

Combine antes com o dentista se você quer que ele te explique todos os procedimentos detalhadamente, a medida que estão sendo feitos, ou se você prefere não saber nada. Algumas pessoas se sentem mais seguras sabendo o passo-a-passo, e outras reagem ao contrário. Por isso é bom dizer qual a sua preferência.

 

Normalmente saber o que vai acontecer deixa a pessoa menos estressada com sons e instrumentos inesperados.

 

Combine também um sinal com o dentista para avisar que você precisa de um tempinho e quer que ele dê uma parada enquanto o tratamento estiver sendo feito. Pode ser tão simples quanto levantar um dedo, mas isso é importante para que você sinta que você tem controle sobre aquela situação.

 

 

 

Aumente a confiança

 

Se você ainda não se sente confiante o suficiente para fazer um tratamento completo, visite o dentista para um check-up, para começar. Isso vai ser rápido e é um bom começo para que você se sinta mais relaxado quando voltar. Na próxima consulta, agende uma limpeza, que também é rápido. Aos poucos você vai aumentando a confiança.

 

 

 

Faça visitas frequentes

 

 

Quanto mais vezes você for ao dentista, mais tranquilo e rotineiro isso vai se tornar.
É recomendável fazer duas consultas de prevenção por ano. Esta assiduidade, somada a uma higiene bucal correta, costuma reduzir a necessidade de tratamentos mais invasivos – e, portanto, mais temíveis.

 

 

 

Comemore!

 

Comemore todas as vezes que você conseguiu ir ao dentista e que a consulta foi positiva. Você pode comprar um presente ou sair para fazer alguma coisa divertida. O importante é associar a visita ao dentista com recompensas, ao invés de medo. E tenha certeza que da próxima vez será ainda mais tranquilo!

 

 

 

 

Depois de tudo isso que você pode fazer por você mesmo, talvez esteja se perguntando:

 

“E o dentista? Será que ele pode fazer algo pra me ajudar também?”.

 

É claro que sim! Leia abaixo o que eu faço pelos meus pacientes que têm medo. Muitos outros dentistas podem fazer também.

 

 

 

Dentista e paciente

 

 

 

O papel do dentista no atendimento a pacientes com odontofobia:

 

Não se costuma falar sobre isso, mas quando um dentista atende um paciente com odontofobia, ele também pode acabar se sentindo desconfortável e isso desencadear um ciclo vicioso.

 

O paciente manifesta ansiedade, o dentista percebe e tende a ficar tenso com a situação. O cliente, por sua vez, capta mensagens não verbais do profissional de que algo não vai bem, o que intensifica sua angústia.

 

“Os dois podem acabar sentindo aversão um pelo outro durante toda a consulta – e depois dela”, ressalta Ruth Freeman, pesquisadora da faculdade de odontologia da Queen’s University de Belfast.

 

Por isso é fundamental que o dentista esteja preparado para atender estes pacientes.

 

O dentista precisa, em primeiro lugar, ser paciente, não ter pressa pra fazer o tratamento. A não ser em caso de urgências odontológicas, é claro!

 

Tem gente que eu percebo que chega ao consultório com muito medo e aí eu levo um bom tempo só batendo papo, conversando sobre outros assuntos que não tem nada a ver com boca e dentes. Viagens, culinária e filhos são os meus preferidos!

 

Na maioria dos casos depois de meia hora batendo papo a pessoa já está bem mais tranquila pra começar o tratamento. Mas se ainda não estiver se sentindo preparada e quiser voltar outro dia, tudo bem. O importante é respeitar o tempo de cada pessoa.

 

 

Outros pequenos detalhes no consultório também fazem uma grande diferença.

 

 

Aromaterapia

 

Um cheiro bom, especialmente quando a nossa memória o associa com alguma experiência positiva, tem a capacidade de criar boas emoções de forma totalmente inconsciente.

 

A mesma conexão existe com odores desagradáveis e emoções negativas. Qualquer pessoa que não gosta de ir ao dentista vai imediatamente ter uma reação ruim ao sentir aquele cheiro típico de consultório.

 

Então o que o dentista pode fazer para impedir a memória olfativa desagradável e criar uma boa experiência? No meu caso, eu instalei um aparelho de aromaterapia que libera essência de lavanda, muito eficaz contra a ansiedade.

 

Esta é uma estratégia bem sutil, mas que tem excelente resultado para produzir um estado de relaxamento.

 

 

Som

 

O som também é uma importante âncora mental. Qualquer pessoa que tem odontofobia já começa a tremer quando ouve o barulho estridente do “motorzinho”.

 

Por isso no meu consultório sempre tem música ambiente tocando. E recentemente comecei a colocar nos pacientes um fone de ouvido que é o melhor do mercado para bloquear ruídos externos.

 

Como o som do motor é muito agudo, o fone não é capaz de cancelar totalmente o barulho, mas o utilizamos em conjunto com outro artifício. Nessa situação não colocamos uma música qualquer tocando no fone, usamos um aplicativo que toca sons desenvolvidos por neurocientistas, que fazem a frequência cardíaca diminuir e sincronizam as ondas cerebrais, induzindo o cérebro a relaxar.

 

Pode ser que o seu dentista não use essa técnica do fone e sons relaxantes, mas isso você mesmo pode fazer. Leve o seu celular e fones de ouvido. Alguns aplicativos com sons da natureza e músicas relaxantes podem ser baixados gratuitamente. Alguns deles eu cito AQUI.

 

 

 Toque

 

A boca é uma parte muito delicada do nosso corpo. Tanto que qualquer um pequeno machucado costuma doer bastante, quando acontece dentro da boca.

 

Ninguém merece um dentista com mão pesada! Fazer os procedimentos com suavidade e delicadeza é fundamental.

 

 

Distração

 

Outra estratégia que utilizo é a distração. Quando o paciente está muito tenso em algum momento, por exemplo, com medo de engasgar durante a moldagem, eu começo a conversar sobre algo que tire a atenção do paciente, para que o foco mude do que estou fazendo para o que estou falando.

 

 

 

Fone de ouvido no dentista

 

 

Na maioria dos casos a empatia, uma boa conversa para quebrar o gelo, a aromaterapia, as músicas relaxantes no fone, mãos delicadas e a técnica de distrair são suficientes para que a pessoa que tem medo possa fazer o tratamento odontológico sem grandes problemas.

 

 

Eu mesma já tive alguns pacientes que chegavam ao consultório muito tensos e depois acabavam dormindo durante o procedimento. E se tem uma coisa que me deixa muito feliz é quando um paciente dorme na cadeira, porque nesse caso eu sei que a pessoa realmente conseguiu confiar em mim e relaxar. Sensação de missão cumprida!

 

 

Mas, se você acha que é um caso sério de fobia de dentista e todas as estratégias que eu citei não vão ser suficientes, saiba que há outras possibilidades.

 

 

 

Medicamentos anti-ansiedade

 

O dentista pode prescrever ansiolíticos para ajudar a aliviar a tensão. Tem gente que tem muita resistência a tomar remédios de “tarja preta”, como se costuma dizer. Mas, na minha opinião, se realmente for necessário, é melhor que a pessoa tome algum ansiolítico e consiga fazer o tratamento do que não tomar nenhuma medicação e ficar décadas sem ir ao dentista, enquanto a saúde bucal vai de mal a pior.

 

Para os procedimentos mais simples são indicados ansiolíticos mais leves, que não causam muita sonolência. E para procedimentos maiores, como cirurgias, há outra classe de medicamentos administrados via oral ou intravenosa.

 

Outra forma de sedação é o óxido nitroso também conhecido como “gás hilariante”, super popular nos Estados Unidos. Acho que todos já devem ter visto na internet algum vídeo de pessoas que acabam de sair do dentista e ficam falando bobeiras e dando risada, uma verdadeira comédia!  Aqui no Brasil poucos dentistas possuem esse equipamento devido ao alto custo e poucos pacientes serem adeptos ao tratamento por encarecer muito o procedimento.

 

 

Terapias integrativas

 

Se você tem um bloqueio tão grande que não consegue nem passar perto de um consultório odontológico, talvez valha a pena fazer algum tratamento para a fobia antes mesmo de marcar a consulta com o dentista.

 

 

Algumas terapias integrativas são bem úteis para essa função, como acupuntura, hipnose e terapia cognitivo-comportamental.

 

 

Terapia cognitivo-comportamental (TCC)

 

A TCC é uma abordagem da psicologia que ajuda o paciente a perceber padrões de pensamento que alimentam sua ansiedade e a aprender algumas estratégias para lidar com isso no dia a dia.

 

“A maneira como se avalia uma situação influencia emoções, comportamentos e reações fisiológicas. Interpretações exageradamente negativas, ou catastróficas, causam respostas físicas desproporcionais à realidade. Reestruturar pensamentos distorcidos é uma forma de alterar emoções e atitudes”, diz a psicóloga Marcele Regine de Carvalho.

 

 

Hipnose

 

O tratamento da odontofobia por hipnose é bastante eficaz. O processo usa várias técnicas terapêuticas e faz com que a pessoa veja a coisa que causa pavor de uma forma totalmente nova e útil. Assim a pessoa deixa de ter as emoções desagradáveis.

 

“Se o paciente tem medo do barulho do motor, pergunto qual ruído que ele gostaria de ouvir no lugar. Dou algumas sugestões, como cascata de água e hipnotizo dando esse comando. Na hora que piso para ativar o motor, a pessoa não escuta o barulho da turbina, mas sim o da água e isso a deixa mais calma e tranquila”, afirma o dentista Claudio Gargione, presidente da Câmara Técnica de Hipnose do Crosp.

 

 

Acupuntura

 

A acupuntura visa o equilíbrio geral do organismo do indivíduo. “As agulhas são colocadas em alguns pontos espalhados pelo corpo todo, dentro dos meridianos, que consistem em vias por onde circula a energia. Dentro desses meridianos, existem alguns pontos que quando estimulados por agulhas, são mais apropriados para relaxar, melhorar a ansiedade e o medo”, diz o presidente da Câmara Técnica da área de acupuntura do Crosp, o cirurgião-dentista Helio Sampaio Filho.

 

 

 

Conclusão

 

Para concluir, quero te dizer que evitar o dentista definitivamente não é o melhor jeito de superar o medo, na verdade essa atitude pode aumentá-lo, pois, pular as consultas regulares pode fazer com que um problema piore muito e se torne mais difícil de tratar.

 

Uma pesquisa publicada no ano passado mostra que pessoas que visitam o consultório com mais frequência tem menos ansiedade.

 

Então encontre algum dentista que você goste, faça amizade, visite-o sempre e você verá que aos poucos a ansiedade vai diminuir.

 

 

Nas palavras do pensador Sêneca, “há mais coisas que nos assustam do que coisas que efetivamente nos fazem mal; afligimo-nos mais pelas aparências do que pelos fatos”.

 

 

Seguindo essas orientações, tenho certeza que você vai conseguir superar o medo do dentista e passar a ter um sorriso mais confiante, cheio de auto-estima!

 

 

Se esse artigo foi útil para você, compartilhe com alguém que você sabe que também sofre com o medo de dentista.

 

E qualquer dúvida ou comentário, escreva aqui embaixo e rapidinho eu respondo!

 

Bjs

 

Lia

 

P.S. Mora em São José dos Campos e região e gostaria de fazer um tratamento com dentista especialista em pacientes com odontofobia?

 

Então agende uma consulta comigo!

 

 

Telefone: (12) 3945-0395

Whatsapp: (12) 98245-6101

 

 

Fontes:

Revista mente e cérebro

ww2.uol.com.br/vivermente/artigos/medo_de_dentista.html

http://www2.uol.com.br/vivermente/artigos/em_panico_.html

http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2015/02/25/tem-medo-de-dentista-tecnicas-ajudam-a-enfrentar-o-tratamento-dos-dentes.htm

Saatchi M et al. Dent Res J (Isfahan). 2015 May-Jun;12(3):248-53. The prevalence of dental anxiety and fear in patients

 

 

CONTEÚDO VIP
Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Seu E-mail:


, ,

Comentários

  1. Daniela disse:

    Tenho muito medo deir ao dentista..fui a última vez acho que a treze anos atrás ele tirou um dente meu anestesia não pegava…e nisto fui deixando e agora preciso fazer um tratamento rigoso de cárie..dente quebrado..e está começando à doer…gostaria de saber se vc usa este oxido nitroso..tenho medo de injeção..preferia não ver…e
    .

    • Lia Alves Lia Alves disse:

      Olá Daniela!Imagino o trauma que você ficou depois de passar por uma situação tão ruim. Você é de São José dos Campos? Eu não faço sedação com óxido nitroso e me parece que aqui na cidade não tem nenhum dentista que faça em consultório. Talvez você precisaria ir pra São Paulo. Se você quiser agendar uma consulta comigo, estou à disposição para conversar sobre as técnicas que utilizamos. Tenho tratado várias pessoas com bastante medo de dentista igual à você e sempre temos bons resultados. Fico muito feliz em ajudar uma pessoa a superar esse medo e até mesmo pânico. Não há nada mais gratificante em ver o sorriso da pessoa ao final, com a certeza de que conseguiu superar essa barreira!

  2. CRISTIANE disse:

    nossa, gostaria de passar por uma avaliação..tenho muito medo de dentista e vergonha de meus dentes…fico adiando o tratamento por insegurança…que bom que existe profissional que entende isso…meu sorriso é horrível e minha alta estima fica lá embaixo por conta disso

  3. victor disse:

    qual fone que você utiliza em seu consultório ?
    poderia me indicar algum?

Deixe um comentário

(não será divulgado)